quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Annie Hall - para a XII Jornada da EBP-SC: as pirações de cada um

A escandalosa frase lacaniana "Não há relação sexual" dificilmente pode ser lida sem que isso cause certa estupefação. O que, afinal, essa frase pode nós ensinar? Podemos lê-la, talvez de um jeito menos provocativo, como a impossibilidade de dois fazerem um; ou que a palavra nunca é suficiente para nomear aquilo a que se refere. Seriam as pirações de cada um um modo de tentar fazer consistir a relação com o outro? Seriam as pirações de cada um um maneira de conviver com aquilo que é da ordem do impossível aí? Se dizemos, com Lacan que não há relação sexual, podemos dizer que o amor é a piração possível que nos possibilita viver com a diferença radical que o outro sempre porta?
Veja aqui uma cena clássica de Wood Allen em que é o cômico aparece entre um homem e uma mulher.


Por Gresiela Nunes da Rosa

Nenhum comentário:

Postar um comentário